Por um dia menos ordinário


Onde estou?
outubro 31, 2009, 1:23 am
Filed under: Uncategorized

Saudade de uma notícia boa

de um aprendizado

de um sonho realizado

Saudade de mãe

de pai

de irmãos

Saudade da comida

do tempero

do sabor

Saudade daquela loucura

daquela correria

daquele amor

Saudade da conversa

da dança

da bobeira

Saudade daquele grupo

daquele lugar

daquela bagunça

Saudade do café

Saudade da cerveja

Saudade de tudo que tinha na mesa

Saudade da espera por um telefonema

por uma resposta

Saudade do andar

do respirar

do falar

Saudade da vontade

da alegria

Saudade do João

e da Maria

Saudade do gosto

do toque

do cheiro

Saudade do que eu era o tempo inteiro.

 

***

 

“saudade
sau.da.de
sf (lat solitate) 1 Recordação nostálgica e suave de pessoas ou coisas distantes, ou de coisas passadas. 2 Nostalgia(…)”

Anúncios


monocromize suas idéias
outubro 16, 2009, 2:21 pm
Filed under: Uncategorized

As cores dão vida,

mas têm as cores da morte

As cores formam o arco-íris

mas deformam os olhos tristes maquiados

Muitas cores realçam

mas muitas outras apagam

Cores, cores.

Eu amo todas e todas me amam

Elas trabalham como meu termômetro de estado de espírito

Acordo e sinto o prazer em colocar aquela cor para realçar

ou até aquela outra, que consegue apagar qualquer coisa mal resolvida

Só não me venha falar das cores…

Eu amo todas e todas me amam

Não tente desvendar o que a minha cor diz sobre o meu humor

Se é bom, se é mal

O humor é meu

A cor é minha

Ela é minha e eu sei bem como tratá-la

Cuide da sua cor

que eu cuido da minha

Cores, cores

Eu amo todas e todas me amam

Não tente me descobrir,

me dar significados

E não me venha falar de cores.



here we are again
outubro 16, 2009, 1:18 am
Filed under: Uncategorized

ela sempre esteve lá, lembrando de tudo.

lembrava de tudo e de todos e as vezes se esquecia…

ainda hoje me lembrou do dia que estive feliz por ter completado o que tanto queria, em tempo recorde.

eu nem lembrava que queria isso e muito menos a felicidade que fiquei quando assim consegui.

e hoje ela também me lembrou a pressa que tive, os presentes que comprei…

eu já nem lembrava

da motivação, da calça cinza,  nada.

hoje eu estava com vontade de esquecer e voltar atrás

 mas ela me lembrou

e até que me fez bem saber o que senti e já nem me lembro mais.

somos tão cheias de coisas, manias, bobeiras

irmãs, confidentes, amigas…

tão iguais que assusta

espero que você não esteja com a febre que me assombra hoje

ela vem de dentro

você não a merece

e ela não te pertence.



todo mundo se odeia de algum jeito
outubro 11, 2009, 2:52 am
Filed under: Uncategorized

Eu odeio o jeito que você some

odeio mais ainda o jeito que reaparece

Eu odeio o jeito que você manda notícias

odeio mais ainda quando não sei o que acontece em sua vida

Eu odeio ver que você tem o sorriso mais bonito

odeio mais ainda imaginar você sem um sorriso destes

Eu odeio o jeito que sinto saudades do que existiu

odeio mais ainda pensar em um passado sem esta estória

Eu odeio a dependência que sinto de você

odeio mais ainda pensar que você pode estar dependente assim, de um outro alguém

Eu odeio o jeito que você é perfeito com todo mundo

odeio mais ainda não ser este “mundo todo”

Eu odeio ter mais de dez motivos para te odiar

odeio mais ainda saber que nenhum deles é verdadeiro.

 

Baseado na fala do  filme “10 coisas que odeio em você”:

” I hate the way you talk to me, and the way you cut your hair. I hate the way you drive my car. I hate it when you stare. I hate your big dumb combat boots, and the way you read my mind. I hate you so much it makes me sick; it even makes me rhyme. I hate it, I hate the way you’re always right. I hate it when you lie. I hate it when you make me laugh, even worse when you make me cry. I hate it when you’re not around, and the fact that you didn’t call. But mostly I hate the way I don’t hate you. Not even close, not even a little bit, not even at all.”



na contramão
outubro 8, 2009, 2:23 am
Filed under: Uncategorized

Cada amizade  nova conquistada

resulta na supervalorização dos que talvez nem precisariam mais ser contemplados

Cada  história de amor que é relembrada

ocupa o espaço que seria destinado às possíveis histórias que estariam por vir

Cada passo dado  com rumo à tecnologia

são três passos direcionados ao obsoleto

Cada site, cada network, cada celular, cada voip, cada tecla, cada função, cada tudo o que é novo

leva ao papel escrito

Cada vez que leio sobre o mundo,

sei menos de mim

e de você.



quem esteve, está e para sempre estará?
outubro 5, 2009, 1:59 am
Filed under: Uncategorized

Quem estará lá para dividir um sorriso,

uma lembrança,

um bolo de chocolate,

um espaço na fotografia,

um lugar no sofá,

histórias mal resolvidas,

uma página da vida?